Contratação de médica do Cerest pelo Porto Velho Shopping é encaminhada ao MPT

O trabalhador tinha sido atendido pela médica no Cerest logo após a sua demissão do centro comercial

Em processo (nº 0000364-87.2019.5.14.0002) movido por um ex-empregado contra o Porto Velho Shopping, o juiz da 2ª Vara do Trabalho, em despacho no último dia 8, afirmou que em razão de ser questionada a ética na conduta da assistente técnica, médica Lúcia Helena Pereira Altomar, que trabalha no Cerest – Centro de Referência de Saúde do Trabalhador, o caso será encaminhado ao  Ministério Público do Trabalho (MPT) para que sejam adotadas as providências que entender necessárias.

Além da Justiça ter encaminhado o caso ao MPT, os dirigentes da CUT informaram que no dia 23 de julho essa entidade já havia enviado um ofício ao coordenador do Cerest questionando o fato de a médica do órgão, responsável pelo acompanhamento de questões relacionadas à proteção da saúde do trabalhador, ter sido contratada pelo Porto Velho Shopping para atuar como perita assistente patronal contra três trabalhadores, o que caracterizaria um conflito ético e profissional.

Nesse ofício, a CUT relatou que “no dia 22/07/2019 a referida médica atuou como perita assistente, em favor do Porto Velho Shopping, contra o trabalhador M. A. S., com um agravante, neste caso, pelo fato do trabalhador ter procurado o Cerest logo após a sua demissão para conseguir apoio psicológico, sendo atendido pela própria médica (Lúcia), que o encaminhou ao psicólogo”.

A  CUT informou ainda à coordenação do Cerest, que a atuação da médica como assistente do Porto Velho Shopping “abalou profundamente o trabalhador exatamente no momento em que era feita sua perícia, “confirmando” uma “teoria” que existe entre os empregados do referido centro comercial de que ninguém ganha ação contra o mesmo, pois  é poderoso e teria muita influência. “Imagine a perplexidade do trabalhador ao se deparar justamente com a médica que o atendeu no Cerest contratada pelo Porto Velho Shopping”, declarou a entidade sindical.

O membro do Conselho Estadual de Saúde (CES), Raimundo Nonato da CUT, declarou que vai requerer a abertura de um processo administrativo para apurar a atuação de médicos do Cerest fora de suas atribuições, como na condição perito assistente patronal e também em perícias judiciais, pois pode estar havendo conflito ético e prejuízo em relação à isenção e independência que um órgão de proteção precisa ter.

Saiba mais

Número do processo nº 0000364-87.2019.5.14.0002

  • Assessoria – CUT-RO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *