Turistas e visitantes exigem mais glamour nas principais atrações da cidade

Porto Velho, RO – Com destinos considerados incríveis, ainda assim, a Capital rondoniense se apresenta ao mundo com muito superlativos. Mas não conseguiu dar o grande salto que merece por falta de se fazer conhecer, interna e externamente, diante de um público cada vez mais exigente.

No quesito pontos turísticos e de interesse do público visitante, estima-se a “indústria sem chaminé”. (O município de Porto Velho) não se preparou nem ao menos para o inevitável mercado voltado às coisas da Amazônia, aponta o Consultor dessa área Wenceslau Rodrigues Sanches, em trânsito.

Segundo ele, “tem-se, aqui, um mundo chamado Amazônia Brasileira não explorado e as capitais Porto Velho, Rio Branco, Manaus, Belém, Boa Vista, Macapá e mais à Nordeste do nosso Pulmão do Mundo, São Luís do Maranhão”, completou.

Com boa música regional, cultura diversificada, gastronomia à altura de qualquer Chefe francês, rico Folclore (afro, indígena e europeu), na cidade de Porto Velho, com exceção dos bares, restaurantes, mercados (Central, Km 1 e do Peixe, esse no Cai N’Água), hotéis (3 a 4 Estrelas), além de um único shopping, “falta azeitar a máquina turística”, Rodrigues Sanches sublinha.

– A Capital rondoniense não é decantada em prosa e verso por seus intelectuais, nem divulgada como o que restou da Estrada de Ferro Madeira Mamoré (EFMM) por grupos seletos, afirma.

Catedral de Porto Velho (fonte Arquidiocese de Porto Velho).

Isso acontece, segundo ele, porque o município e o Estado “ainda não saíram da letargia que pensam que turismo seria apenas promover diagnósticos sem obras ou política de fomento a investidores, pessoas ou cruzeiro”, desabafa o visitante Rodrigues Sanches.

– É preciso haver pressa no envolver gestores e atores na Ciência do Estranhamento, o Turismo, por parte dos governantes e empreendedores, ele ensina o caminho para uma possível decolagem por aqui.

Já na opinião da acadêmica Francisca Souza da Silva, 57, filha de ferroviário, “nossa cidade é possuidora de uma das mais ricas culturas da Amazônia”. Porém, os gestores ao que parece vivem metidos apenas num mundinho de faz de contas e deixam o Turismo – que gera renda e emprego – sempre para depois.

Porto Velho é uma das capitais com rica cultura, gastronômica excelente, artesanato invejável, grandes parques, reservas extrativistas e indígenas naturais, além de costas fluviais, porém, “construir políticas envoltas ao Turismo, “isso os governantes não o fazem desde o século passado”, denuncia Souza da Silva.

– As principais atrações não têm recebido publicidade nem se sabe quais projetos estariam sendo direcionados ao Turismo regional, insiste a acadêmica.

Capital integrante do Hemisfério Sul, o município ainda não disponibiliza aos visitantes e turistas notícias diárias sobre suas potencialidades, sejam das principais atrações do município (Ferrovia Madeira Mamoré, Museu Rondon (erguido pelas Usinas), Museu Ferroviário, Bibliotecas, Praças (todas sem WI-FI) ou mesmo atrações noturnas em bares Cult ou naquilo que o homem gosta em uma cidade (Música, Moda, Esporte, Bebida, Mulheres, Sexo, Banho Turco, Discotecas ou casas de drinks).

– Por Xico Nery | Redação/CNR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *