Agricultores denunciam uso de violência em assaltos e arrombamentos de chácaras na estrada dos periquitos

Porto Velho, RO – Moradores da Estrada dos Periquitos, na fundiária dos bairros Socialista e Ulysses Guimarães continuam vivendo dias de terror com o aumento da criminalidade naquela parte da região Leste da capital.

Vivemos  momentos de aflição, diz o comunitário Barros Zebalos, “os marginais fugidos da Policia, por obterem guarida de outras pessoas, tocam o terror na região”. A tensão aumentou tanto que, outro dia, um policial aposentado, depois de roubado várias vezes, reagiu e matou um bandido dentro de casa.

Na localidade, que abriga agricultores ainda sem qualquer tipo de assistência social do poder público, o número de ocorrências policiais tem aumentado, e, muito. Diariamente, motocicletas e veículos roubados na cidade são encontrados “depenados” em meio a carreadores e varadouros onde ate corpos são desovados. Além de usarem da violência nos crimes.

O comunitário, contudo, pelo fato do período invernoso, depois dos “desmontes” já denunciados nos vizinhos bairros Ulysses Guimarães e Socialista, “os Periquitos, além da extração ilegal de areia e especulação imobiliária, a tendência é a aumentar a proliferação da violência e da criminalidade advindas de outros pontos da Zona Leste”.

Ligada ao Jardim Santana e Ulysses Guimarães, desde que o ex-prefeito Roberto Sobrinho, implementou serviços de correção dos pontos críticos e abriu ramais e vicinais, os moradores dos Periquitos pede socorro às autoridades aos assaltos, arrombamentos, além dos casos de famílias terem sidos usadas como reféns.

Os bandidos chegaram ao ponto de promoverem “verdadeiros arrastões na região, se queixa Barros Zebalos, apontando a possibilidade de “quadrilhas” especializadas em roubo de propriedades rurais, que contariam com ajuda de outros assaltantes que supostamente moram na região”. Os bandos chegam usando caminhões-baús para fazer a mudança dos produtos roubados nas ações criminosas das vítimas escolhidas, supostamente, após levantamento feito por outros membros das quadrilhas.

A maioria das ações, segundo Zebalos, eles “usam as linhas e ramais de acessos aos bairros, Jardim Santana, Orgulho do Madeira e Ulysses Guimarães.”.

Outra preocupação com a insegurança vivida não só pelos moradores da Estrada dos Periquitos, mas também por chacareiros do Jardim Santana, é a proliferação de borracharias, oficinas e depósitos de ferro-velho no final da Avenida Amazonas, no acesso para o condomínio Crystal da Calama e ao longo da Raimundo Cantuária onde termina o asfalto próximo ao Setor Chacareiro.

– Isso aumenta as chances dos bandidos, supostamente tenham facilidade de vender impunemente, peças dos veículos e motocicletas supostamente roubados, arrematou Zebalos, 76 anos.

Da redação/CNR | Xico Nery

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *