A triste realidade da Mídia Brasileira

É extremamente visível aos olhos de quem pode ver a enorme facilidade de influência que ela tem na política e sobre o povo.

A ela sempre coube um papel de destaque na historia da república Brasileira, ela sempre atuou e vem atuando de forma visível e permanentemente influenciando as ações, dos governos e no comportamento da sociedade, e, muitas vezes extrapolando seu principal papel de informar de forma isenta e imparcial. É extremamente visível aos olhos de quem pode ver a enorme facilidade de influência que ela tem na política e sobre o povo.

Quarto poder

Os políticos trabalham “se é que podemos chamar de trabalho”, apoiados na população que os elegeram, uma espécie de matéria prima da política, podemos até dizer, uma espécie de capital simbólico dos agentes públicos. Ora, ora, a mídia é quem produz esse material, tanto para construí-lo, como para destruí-lo, a exemplo disso os escândalos políticos recentemente divulgados. Quando nos referimos à mídia como quarto poder é necessário ressaltar, que esse poder também pode ter sido usurpado. Isso por que esse tal poder atribuído a mídia e que de fato tem mesmo, não lhe foi conferido e legitimado pelo povo democraticamente falando. Ela assumiu esse poder por conta própria, sem levar em conta a vontade do povo, baseando-se apenas em seu poderio político/econômico, e ideológico, mancomunando e acumpliciando-se a setores da classe politica.

Domingão

“Sem citar nomes, o apresentador do “Domingão do Faustão” que nem precisa citar o nome, avaliando o cenário político atual, disse em seu programa dominical a seguinte frase, o “imbecil que está lá e não deveria estar”, pode até ser honesto, mas é um idiota que está ferrando com todo mundo”.

Imbecil

A frase sobre o “imbecil que está lá e não deveria estar” deu margem a várias interpretações: alguns, por exemplo, entenderam que o apresentador estava xingando o ex-presidente “Temeroso” outros entenderam que o cara estava mesmo desqualificando o atual presidente, “Jair Bolsonaro” legitimamente eleito democraticamente pelo povo.

Rede Globo

Não sei se era uma referencia ao ex-presidente Michel ou ao recém-empossado presidente da republica, só sei que ele disse. Isso só poderia vir mesmo de um apresentador de um programa desqualificado como este da “Rede Globo” metido a sabichão, pensa que é o dono da verdade, deveria mesmo dar exemplo e usar o programa de grande audiência para fazer algo verdadeiramente benéfico as famílias Brasileiras.

Tardes de domingo

Querendo ou não, o Bolsonaro é o presidente do Brasil. esse programa e seus comentários insuportável, ajudam somente tornar o brasileiro mais idiota e ignorante. Um verdadeiro lamaçal de hipocrisia. Seria muito bom se o apresentador usasse as tardes de domingo para influenciar positivamente as pessoas. Hoje em dia há uma verdadeira inversão de valores. Sempre vemos cenas que parecem absurdas aos olhos das famílias Brasileira. Quase não existem mais valores familiares. A final, a televisão é sim um grande meio de comunicação, se não o maior e pelo que tem se mostrado, o mais importante. Mas, assim como todo produto que faz sucesso, a mídia criou uma forma de utilizar-se deste para preencher os espaços que não eram para ser preenchidos na vida das pessoas. Quem sabe ao vivo um dia você possa ser mais útil ao Brasil.

Do contra

Pelo sim e pelo não, já sabemos que a Globo é, mesmo, contra o governo Bolsonaro. Suas normas editoriais hipócritas deixam claro que os funcionários não podem assumir posições políticas publicamente, como forma de preservação do profissionalismo e isenção da emissora. Esquecendo apenas dos princípios básicos da deontologia jornalística, ética, imparcialidade, verdade e confidencialidade, etc. Para os mais atentos, é nítido como a cobertura política feita por quase toda a chamada grande mídia durante os governos do PT e, sobretudo, no pleito eleitoral deste ano, tem sido contaminado por interesses do oligopólio que controla a comunicação em massa no Brasil.

A grande culpada

Vale lembrar que, o mundo está mudando, a mídia tradicional a exemplo da Globo, a grande “culpada” por tudo isso, vem caindo em desgraça, exatamente por falta de credibilidade que vem sendo construído pela própria emissora, deixando de ser um veiculo de informação e se tornando apenas um veiculo de opinião, e para piorar, ela mesmo tendo que desmentir as mentiras divulgadas por ela mesma devido a realidade dos fatos.

Ele Não

Quanto às mídias sociais, sem duvidas há excessos sim, assim como em tudo que é novo em termos midiáticos, mas o próprio tempo se encarregará de ajustar, pois elas próprias caem em descrédito, o que de pior poderia acontecer. Não nos esqueçamos da triunfante vitória do atual governo através das redes sociais, foi um verdadeiro “cala-boca” do Bolsonaro contra a famigerada turma do Ele Não, regida pela gananciosa Rede Globo.

Imparcialidade

Para piorar ainda mais a situação da emissora, ao contrário do que sempre acontecia, Bolsonaro faz criticas a “imprensa” e fala de verbas publicitárias federais para órgãos de imprensa e promete acabar com o privilégio de alguns órgãos de imprensa considerados pelo atual governo “parcial”. Disse ainda que “Nenhum órgão de imprensa terá direito a mais ou a menos daquilo que viermos gastar com a imprensa, “Isso é ótimo”. Queremos ter uma imprensa cada vez mais forte e isenta. A imprensa livre é a garantia da nossa democracia. Vamos acreditar em vocês, mas estas verbas não serão mais privilegiadas para a empresa A, B ou C”, disse o presidente.

Absolutamente certo

Diante do exposto, Fausto Silva está absolutamente certo, quando disse que Bolsonaro está mesmo ferrando com todo mundo. “Ele só esqueceu de dizer que era com todo mundo da Globo”.

A todo custo

Não é à toa que os talentosos jornalistas da Globo buscam a todo custo elementos que possam denegrir a imagem do Governo Bolsonaro. É impressionante o empenho da Miriam Leitão, Willian Bonner, Renata Vasconcelos, Cristiana Lôbo, Sardenberg, Sérgio Aguiar, Valdo Cruz, Camarotti, Andréia Sadi, Eliane Catanhêde e outros… Isso não é jornalismo sério, imparcial e sim uma militância ideológica globalizada, desprovida de ética e profissionalismo.

País Forte

“Eu não quero ver o Brasil se arrebentar. O Brasil precisa se fortalecer, fortalecer suas instituições, independente de ideologia partidária vamos torcer e trabalhar para este governo dar certo. Isto sim, é uma atitude de um cidadão que quer ver o País forte, recuperado. Eu não escolhi o Lula e nem a Dilma e trabalhei por um país melhor. Quer ser resistente? Resista ao que faz mal ao povo brasileiro, como a falta de segurança, péssimo sistema de saúde e educação, seja contra a corrupção… Ser contra um governo só por ser “do contra” não pega bem, só mostra o que é. É importante lembrar que “Não existe direito e nem poder absoluto” e “ninguém está acima da lei”.

Eleições

Entre os profissionais do jornalismo, é importante que se reflita sobre o desserviço que a maioria dos veículos de comunicação vem desenvolvendo nos últimos anos, mormente às vésperas de eleição, como ocorreu nas duas últimas semanas que antecederam à disputa nas urnas após o tucano perder a dianteira nas pesquisas de intenção de voto para a candidata à reeleição.

(Por Edilson Neves/Diretor-Redator do CNR)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *