Kulsoom morreu na última terça-feira, aos 68 anos, em Londres, em decorrência de um câncer. Ela se submetia a um tratamento contra a doença desde agosto de 2017 na capital britânica.

O funeral, que contou com a presença do clérigo Tariq Jameel, aconteceu na faculdade de medicina Sharif Medical City, localizada na cidade natal da esposa do ex-premiê.

Nawaz Sharif, sua filha Maryam Nawaz e o marido dela, Muhammed Safdar, que foram presos por corrupção em julho, ganharam liberdade provisória para comparecer à cerimônia fúnebre.

Shahbaz Sharif, irmão do ex-premiê e que é o atual presidente da Liga Muçulmana do Paquistão (PML-n), também esteve no funeral. Porém, dois filhos da ex-primeira-dama não compareceram, porque são foragidos da justiça do país e vivem no Reino Unido.

O caso Panama Papers revelou que três dos quatro filhos do então primeiro-ministro possuíam propriedades em Londres que foram adquiridas de forma pouco clara. O Supremo Tribunal paquistanês iniciou uma investigação que desencadeou, em julho de 2017, na suspensão dos direitos políticos de Nawaz Sharif por dez anos, o que o fez renunciar a seu terceiro mandato, que tinha começado em 2013.

Um ano depois, um tribunal anticorrupção condenou Sharif e sua filha Maryam a 10 e 7 anos de prisão, respectivamente, por ocultação de bens, e na semana seguinte, pai e filha foram detidos ao chegarem ao Paquistão voltando de Londres.

Ambos estavam na capital britânica para acompanhar Kulsoom na clínica onde ficou internada até morrer.

Da Agência EFE